Relação abusiva e seus impactos: trauma bonding

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

INTRODUÇÃO

Por que a vítima de uma relação abusiva se vincula tão fortemente à pessoa abusiva, a ponto de defendê-la ou criar justificativas para permanecer com essa pessoa? Esse post busca responder a essa pergunta.

Toda vítima de abuso emocional, em algum momento, tem algum pensamento do tipo:

– E se a pessoa melhorar?

– Ele só fez isso porque estava nervoso.

– Ela faz isso porque me ama muito.

Relação abusiva e seus impactos: trauma bonding - Janaina Campos - Viva o relacionamento que você merece

Independentemente do que a pessoa abusiva faça à vítima, a última continua a nutrir falsas esperanças e criar justificativas para continuar na relação. E isso é causado pela dinâmica do relacionamento abusivo.

COMO ISSO ACONTECE

O início da relação abusiva é sempre um conto de fadas. E quando a pessoa maravilhosa do início começa a desaparecer e a vítima começa a enxergar alguém totalmente diferente, isso causa uma grande confusão mental na vítima.

Além disso, após o abuso começar, o ciclo do abuso passará a flutuar entre o abuso, o atrito e a reconciliação. E, geralmente, o que a pessoa abusiva faz, nos momentos de reconciliação, é resgatar a vítima da dor, que normalmente foi própria pessoa abusiva quem criou.

Essa dinâmica coloca a mente da vítima em parafuso. Simplesmente porque a informação registrada no início do relacionamento é que o parceiro ou parceira é uma pessoa boa.

Mas essa pessoa “boa” tem atitudes ruins e depois supostamente boas, quando resgata a vítima. E a mente da vítima fica incapaz de decidir se essa pessoa é boa ou não.

A vítima lida com duas informações contraditórias sobre uma mesma pessoa. Isso é chamado de dissonância cognitiva. E o mal estar que isso causa leva a mente a buscar uma justificativa para isso.

E o que acontece é que a vítima começa a formar crenças do tipo:

– No fundo, ele é uma pessoa boa.

– Ela não fez por mal.

– Ele faz isso, mas me ama…

A vítima passa a acreditar que a pessoa abusiva é uma pessoa boa, apesar do abuso que comete. Isso é chamado de Síndrome de Estocolmo, ou trauma bonding (o termo mais usado quando se fala em relacionamentos abusivos – não há tradução para o português).

É a mesma síndrome que ocorre com as vítimas de sequestro, e é um grande obstáculo para vítima quando ela pensa na decisão de se separar da pessoa abusiva. Esse vínculo impede muita gente de se sair da relação abusiva.

Se você é vítima de uma relação abusiva, esse conhecimento te permite enxergar que essa crença só te prejudica e que é preciso aceitar a realidade de que permanecer no abuso só te fará mais mal. Com isso, é possível lutar contra esse vínculo que tanto te prejudica.

ASSISTA O VÍDEO:

Janaina Campos

Janaina Campos

Janaina Campos Psicanalista | Coach | Hipnoterapeuta - OMNI e NGH | Analista Comportamental Te conduzo à libertação definitiva da codependência emocional e dos relacionamentos abusivos. Viva o relacionamento que merece.

Veja também!

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Posts Recentes

Parabéns!

Muito bem,
Você já esta Inscrito!

O que fazer enquanto isso?
Você pode acompanhar o meu trabalho em minhas redes sociais e conferir o meu site.

Semana de Conhecimento
100% ONLINE e 100% GRATUITA
28/SET a 05 de Outubro

Venha conhecer a técnica DEFINITIVA para NUNCA mais viver relações abusivas e se libertar definitivamente da dependência emocional

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.